Ficar sentado é o novo “fumar”, afirma médica norte-americana