FWB: é preciso falar sobre a morte, sem preconceitos, afirma vice-diretora