Psicólogos e psiquiatras divergem sobre campanha contra ?medicalização? de crianças e adolescentes