○ Se a empresa de transporte coletivo deixa de prestar um serviço essencial, ela está infringindo a Lei, afirma defensor público